Posts com a Tag ‘aplicativos’

Animação como recurso de UX mobile

sábado, 5 de janeiro de 2013

O uso de animação em aplicativos e games tem feito a diferença em experiências mobile. Nos filmes, a animação é utilizada como elemento que suporta a história. No mobile, não pode ser diferente. Ela deve complementar a experiência, e não ser a estrela principal.

Esse recurso deve ser utilizado de uma forma que faça diferença na experiência e não pode de maneira alguma distrair os usuários do objetivo principal.

Rachel Hinman, designer e pesquisadora, escreveu um post no Smashing Magazine tratando sobre a anatomia da animação como elemento de UX mobile.

A Designer usa os 12 princípios da animação para mostrar como podemos fazer uso do recurso de maneira inteligente e que faça diferença na experiência de uso de aplicativos e jogos. Separe um tempinho e leia o texto completo. Boa leitura.

Como colocar um jornal em um aplicativo iPad

domingo, 27 de novembro de 2011

A equipe de design digital do famoso site The Guardian publicou alguns momentos chaves por trás do desenvolvimento de um aplicativo para o iPad.

Eles mostraram como construíram a grid e os rabiscos das interfaces mais importantes. Pensaram em uma disposição que funciona em qualquer orientação do tablet. Fizeram vários testes de tipografia e disposição da navegação para que o conteúdo seja valorizado ao máximo. Tentaram manter a personalidade da versão impressa do jornal.

Foram realizados vários testes de navegação do aplicativo para que pudessem ter certeza que estavam propondo a melhor solução. Veja as imagens abaixo que eles disponibilizaram.

Estratégia, rabiscos e wireframes com o conteúdo real

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Não tenho dúvidas que muitos profissionais ainda trabalham no modelo tradicional de desenvolvimento de sites e aplicativos. Nunca entendi porque um projeto começa pela página inicial se o objetivo final de um usuário está em alguma página muito importante para realizar uma tarefa.

Se pararmos para pensar um pouco, a capa de uma revista ou jornal tem a finalidade de retratar o que leitor vai encontrar no miolo. É como pensar que a capa será feita antes de todas as matérias que vão compor a publicação.

Confesso que mesmo acreditando em um processo de desenvolvimento diferente, poucas vezes consegui colocar em prática um método de trabalho mais inteligente. E pra isso acontecer você precisa ter a companhia de um estrategista de conteúdo ao lado. E pode ficar melhor quando você tem dois.

A metodologia utilizada que estamos todos cansados de ver e que não funciona

O arquiteto de informação recebe o escopo, organiza as informações e desenha as principais interfaces. E sempre começa pela home no puro achômetro do conteúdo que vai existir.

O designer recebe todos os wireframes e desenha a linha visual do site.

O conteudista tem que se virar para transformar lorem ipsum em conteúdo de verdade.

Vimos que o principal do projeto foi feito somente no ciclo final de concepção. Os usuários não entram em um site em busca simplesmente de uma boa usabilidade ou design gráfico bonito. O conteúdo tem que vir antes de tudo.

A metodologia que estou colocando em prática no momento e recomendo

O arquiteto de informação, o redator e um designer definem as páginas que vão gerar valor para a marca e o usuário. O novo trio de criação senta e pensa da seguinte forma:

1. Qual é o objetivo da página existir?
Quais são as metas esperadas pelo cliente e usuário. Após pensar nisso é hora de listar o que a página deve ter para que as pessoas consigam alcançar seus objetivos.

2. O que precisa ter para a pessoa continuar a experiência?
Só agora é o momento de pensar em tudo que precisa ter para o usuário continuar navegando pelo site. É tal navegação cruzada que não necessariamente precisa estar no sidebar. São conteúdos relacionados, compartilhamento e etc.

3. O que podemos eliminar?
Esse é o momento de fazer um exame de consciência e ver o que pode ser retirado sem prejudicar o objetivo. Retirar os excessos.

Depois da estrutura definida, os três profissionais começam a fazer os primeiros rabiscos das telas. Então o redator escreve o conteúdo final para que o arquiteto possa documentar o wireframe com a realidade que será levada para frente até o produto entrar no ar.

Sei o quanto é difícil trabalhar dessa forma, mas é fundamental que isso aconteça para que você não perca tempo na frente. Deixo aqui minha recomendação e fique a vontade para dar sua opinião sobre o assunto. Em breve compartilho o resultado do projeto que estou usando o modelo de trabalho citado acima.

Revolução do jornalismo para um novo formato de informação

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

A Globonews fez uma matéria especial falando como o jornalismo está se adaptando ao novo formato de informação, os tablets.

Os aplicativos de notícias são o terceiro mais usados. Só perdem para os aplicativos de entretenimento e previsão do tempo.

Como construir experiências mobile

domingo, 5 de junho de 2011

Stephanie Rieger dá uma entrevista de 7 minutos explicando como ux designers podem criar boas aplicações mobile.